Quero dirigir minha palavra ao torcedor americano que, assim como eu, tem no amor ao clube a sua principal bandeira e sua dedicação inabalável. 
 
Cheguei à presidência em 2015 movido pelo desejo de ajudar o América em um momento de extrema dificuldade. 
 
Coloquei o meu nome à disposição para fomentar o debate de propostas e aglutinar aqueles que desejavam a vitória da nossa nação alvirrubra. 
 
O momento exigia abnegação de quem quer que fosse diante do cenário de inúmeros e graves problemas financeiros e gerenciais. 
 
Fui eleito por unanimidade e busco durante todos os dias de mandato honrar a confiança de todos. E assim continuarei a fazer. 
 
Não é neste momento de dificuldade que irei esmorecer ou desistir do compromisso assumido perante à Nação Americana. 
 
Muito ao contrário, renovo minhas forças e mantenho o meu compromisso. O momento requer união. 
 
Compreendo a crítica construtiva. Entendo a tristeza de cada americano(que é a minha), embora saiba que o ataque pessoal, a agressão pela agressão e o linchamento moral em nada contribuem na crise. 
 
Ao contrário, segregam, dividem, afastam e acentuam a dor coletiva. 
 
Estou aberto a quem queira contribuir com o trabalho árduo, a dedicação irrestrita, a busca pelas soluções e, inclusive, a enfrentar as vitórias e as derrotas. Assim como o futebol requer. 
 
Quanto ao futebol, acrescento nosso esforço por Justiça, que é a permanência na Série C. Reafirmo aos americanos que estou cumprindo meu dever de defender, de forma incansável, os interesses do América. 
 
Não iremos compactuar com irregularidades que possam prejudicar o nosso clube. 
 
Estou trabalhando, com respaldo jurídico, no objetivo de restabelecer a legalidade, que é a punição daqueles que tenham burlado os trâmites exigidos para prejudicar o América. Contem com meu entusiasmo e minha determinação na causa que é nossa. 
 
Vamos olhar para frente, com humildade e reconhecendo, com altivez, os erros cometidos ao longo do ano. 
 
Continuo presidente do América movido pelo sentimento de amor e principalmente responsabilidade. 
 
Convoco todos os americanos para juntos reerguermos o nosso clube. Sem essa união, o desfecho será novamente implacável e indesejável a cada um de nós. 
 
A história do América não me deixa dúvidas da nossa capacidade de reação. Sempre crescemos na adversidade. 
 
De minha parte, não faltará o compromisso, a coragem, o esforço e a responsabilidade para fazer valer cada ano desta história centenária que muito nos orgulha e estimula a seguir adiante. 
 
Recomeçar para vencer faz parte da luta de quem batalha na convicção do ideal comum: O América de todos nós e, em especial, do seu maior patrimônio: o torcedor.
 
Beto Santos
Pte. América F.C.

Banner detran